Entrevista a D. Duarte a 11 de Fevereiro de 1982

13-06-2010 04:58

  ENTREVISTA COM D, DUARTE DE BRAGANÇA

 

 

 

 


        
    «É indispensável que nas Regiões Rurais haja um apoio arquitectónico    
    a quem quiser construir. Este    
    problema nota-se mesmo em Santar,    
    unta das, mais belas vilas históricas    
    do norte de Portugal, onde vivo    
        
    desde 1977, porque um amigo me    
    deixou em herança uma quinta».    

        
        
    


Dom Duarte é um homem simples, apegado à Natureza e a uma vida tranquila, sem espolhafato.    

AS portas da bela casa da Rua do Campo, em Sintra, abriram--se-nos   afavelmente. Numa  enorme  sala  em que ardia o fogo acolhedor de uma lareira. Dom Duarte,  Duque  de Bragança, o sucessor dos reis de Portugal,  recebeu-nos com toda a cordialidade. A sua presença é extremamente agradável.  E alto, aloirado, risonho, e fala com  enorme facilidade. Sente-se nele, um defen-


 




sor da liberdade. Por ela, com efeito, tem lutado, em todas as situações da sua vida. É formado em Agronomia, foi oficial piloto-aviador em Angola, e lá, tentou formar uma lista de candidatos independentes à Assembleia Nacional, tendo por essa razão sido expulso desse território, pela PIDE-DGS. Para iniciar a entrevista que nos concedeu, perguntámos a Sua Alteza qual a sensação que lhe produz  a difícil transição que o nosso  pais atravessa.

— Estou convencido que todo o Ocidente está em face de uma mudança que pode ser brutal ou muito suave. Pode acontecer que haja uma guerra noi próximos anos e, neste caso, a Europa não tem condições de defesa. Se isso viesse a acontecer, Portugal ficaria bastante isolado, teria que suprir-se a si próprio, e passaria-mós obviamente muito mal. Deveria, preparar-se o pais para ele poder sobreviver isoladamente. Isto è certamente mais importante do que a entrada para o Mercado Comum ou outras organizações internacionais, que tem as suas vantagens mas não é tão vital como a sobrevivência física de todos nós. Ninguém ignora que o que tem vindo  a equilibrar a nossa balança económica tém sido os emigrantes e os turistas. Se, de repente, ficarmos isolados, não somos capazes de nos manter. Ora, se temos de contar com as Forças Armadas, para a defesa do território. por outro lado, temos de contar com a Agricultura. Mas, os agricultores continuam a ser uma classe extremamente desfavorecida, e o que vale à economia política portuguesa é que o pequeno proprietário agrícola não faz contas.


— Sabemos que Vossa Alteza é Presidente da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Nelas. Quer falar-nos da  importância  dessas
caixas?


— Ironicamente e um pouco demagogicamente diria que os bancos são organizações que tomam emprestado o dinheiro dos pobres para emprestar aos ricos, e pagam barato pelo dinheiro que recebem  e  fazem-se pagar caro pelo  dinheiro  que emprestam, e as pessoas sentem que já é tempo de não deixarem os seus créditos por mãos alheias. Criaram-se em tempos as Caixas de Crédito Agrícola que se têm desenvolvido muito.   Temos em Portugal cerca de duzentas com dezenas de milhares de
sócios.


— Vossa  Alteza  mencionou  dois pontos de que gostaríamos que nos falasse: a  guerra e o turismo. Que opinião tem
sobre a guerra nuclear?

 

-Acho que não tem importância porque ninguém está interessado nela. Só se houver um louco que resolva deitar uma bomba por razões de desespero. — Quanto ao turismo... — Houve um político qualquer que disse que o turismo é a prostituição de um povo, o que evidentemente é um exagero. Mas tem incovenientes. Um deles é estar-se dependente de uma clientela muito flutuante, o outro é contruirem-se hotéis feiíssimos e estragarem-se paisagens sob pretexto de turismo. Pergunto: o que iremos oferecer ao turismo se a nossa paisagem rural e litoral ficar completamente desfigurada? Isto acontece por culpa de certas administrações, que não são capazes de controlar o estilo das construções. Às vezes por incompetência ou por fraqueza, ou por ausência de normas claras, deixam fazer tudo. E nas aldeias os emigrantes são explorados por muitos construtores que os levam a gastar fortunas para construir casas péssimas e ridículas.  Quem  viajar pelo Minho  ou a Beira Alta quase não encontra uma aldeia que não esteja desfigurada por casas que parecem mostruários de azulejos, autênticas casas de  banho   viradas  do  avesso...        

 

— Quer falar-nos agora da juventude portuguesa. Senhor Dom Duarte?

 

 

— A juventude tem sempre tendência para estar insatisfeita com o que se está a passar,  o que ê  saudável. " Procura tornar-se. independente da geração dos pais.   Essa fase manifesta-se de todas as maneiras: comportamentos anti-sociais, um certovandalismo... Por outro lado, quando os jovens são orientados no sentido de manifestarem a sua vontade de acção em campos mais positivos — e quero mencionar, por exemplo, o serviço cívico — tornam-se mais responsáveis.        
Lamentavelmente, os programas escolares contribuem muito para manter os jovens à parte da vida real. O programa escolar  devia ter uma visão mais global e mais prática e isto não acontece só na primária, mas também no Liceu e até na Universidade.        

— Fale-nos agora da mulher, Senhor Dom Duarte.        

— Parece-me que as mulheres do campo têm uma vantagem sobre as das cidades. O seu nível de cultura é muito mais próximo do marido. Ela com participa  mais na  vida dele. Nas cidades, as mulheres têm uma certa tendência a considerarem-se  intelectualmente menores. Deixam-se ficar com uma cultura extremamente superficial:   lêem  fotonovelas,  vêem telenovelas. mas não é culpa sua que a televisão escolha programas  especialmente  maus para as horas de grande audição.  Isso ê culpa dos dirigentes da Televisão. Independentemente desta pequena crítica, há que fazer justiça à mulher que,  nas épocas de crise, dá exemplos de coragem e de coerência muito superiores ao homem, que se deixa mais    
    facilmente assaltar por  uma certa histeria colectiva que se apodera de um pais. Além disto, é à mulher que se deve a educação básica do homem. São as mães que dão ao futuro cidadão o seu equilíbrio e o seu sentido cívico. Esse papel é importantíssimo para o equilíbrio social de um pais.
        

— Para  terminar, quererá Vossa Alteza dar-nos uma visão do que gostaria que fosse o mundo?
        

— Sinto-me  um pouco tentado a citar o que o Papa João Paulo II disse no  Natal:  «Quando se afasta Deus da nossa vida particular, o mundo invivi-
        vel». Quem falar em casos de  fanatismo,  entendo que os lugares onde ainda se pode viver são aqueles em que Deus tem o seu lugar.
        
      

 Era tempo de deixarmos a casa  de  Sintra,  onde a hospitalidade de Sua Alteza Real o Duque de Bragança, nos proporcionara.Na  viagem  de regresso, recordámos uma bela frase da  sua mensagem e sentimo-nos mais confiantes no futuro.
        

«O nosso povo pode vencer todas as crises se souber encontrar o caminho que conduza à recriação de Portugal.»

 

 

Fonte: "Crónica Feminina" de 11 de Fevereiro de 1982