O Elixir dos Politicos, por Mendo Castro Henriques

25-04-2011 02:23

<Photobucket

 

Conhecemos  nas  farsas  de  Gil  Vicente  e  Molière aqueles curandeiros, saídos não se sabe donde, que após curto e cómico exame de pacientes sacam de um elixir maravilhoso prometendo a ilusão  de saúde a troco de pesado tributo  por tanta ciência de ninho  de cuco. Conhecemos, sim!
Má sorte, pois, a das sociedades doentes que têm de aturar políticos seleccionados por minorias ocultas, de seguida eleitos por uma maioria, e que depois de muito prometerem ao público acabam por lhe servir sempre o mesmo estafado elixir do consenso

"Oh, sim!" diz o nosso curandeiro "Não faltam sintomas de que o país está em crise. Tanto desaproveitam, tanto desatinam e desconfiam tanto desinvestem e desempregam, tanto desnatalizam, que por força algum cancro róe a sociedade!"
Estabelecidos os sintomas, põe-se o nosso homem à procura do mal. Estará no Governo? Na Cultura? Nos Costumes? Na Igreja? "É impossível governar porque ainda existem bloqueios de esquerda" — dizem-lhe. "Pelo contrário" — lança outro —"este horrível eleitorado de classe média está cada vez mais centro-direita"

Surgem sibilinas opiniões: "A Igreja Católica deve ser combatida porque, no fundo, forma pessoas que só se consideram responsáveis perante Deus e os seus sacerdotes, e não perante os representantes da sociedade" — murmura um agente maçónico. "Não!" — atalha um católico de sacristia — "os senhores até devem apoiar a Igreja porque ela garante gente dócil e de valores seguros ".
Passando à área de costumes, o curandeiro enfrenta o triste flagelo do SIDA e o sinistro despovoamento pelo aborto: "O problema é que durante anos tolerou-se e estimulou-se a promiscuidade sexual... e agora estamos sem remédio que nos valha!"
Chegado o momento de medicar, surge o famigerado consenso.
"Quanto à governação, pôe-se no topo um homem de esquerda que faça política conservadora e capciosa; e arranja-se um homem de direita que sirva para fazer passar as inevitáveis medidas socializantes."
"Quanto à Igreja, não se lhe toca... por agora. Vamos tentar entretê-la com os valores que nos são comuns, enquanto se prepara melhor ataque. E no que se refere aos costumes, é preciso ser muito tolerante, muito flexível. Façam-se sondagens para saber o que o público deseja e o que receia. Depois basta agir em conformidade com os resultados."
Sabe o curandeiro que há vários modos de ministrar o consenso. Em casos excepcionais basta uma declaração de princípios ou de intenções, uma moção de censura ou de apoio, ou qualquer outro efeito placebo que dê ao doente a ilusão de saúde. Reina a desorientação quanto
ao futuro de Portugal? (...)


Noutros casos o consenso resulta da vacina. Podem-se aproveitar os anti-corpos do terrorismo. Pode-se promover um tribunal da história para julgar a Colonização, a Inquisição, Salazar ou as Armas Químicas. Ou pode a Comunicação Social contrastar os progressivos horrores deste mundo por onde a gente anda com a inquieta pasmaceira da nossa terra.
O resultado de todo este tratamento e que a sociedade fica de cama, convalescente à força, doente imaginário ou doente deveras, à espera dos efeitos do elixir ou de um novo político consensual.
O problema é que não existem bons políticos consensuais. Mesmo os bons políticos ficam maus quando o consenso se torna a base da política. Para que serve um governo maioritário se a sociedade funciona com base na acção de minorias? Para que serve neutralizar os extre-mismos à custa da capacidade de tomar decisões radicais? Para quê tantos brilhantes debates teóricos se o resultado prático é sempre a política de sopa-de-pedra. a política de meias-tintas, a política do tem-te-não-caias. a política de maria-vai-com-as-outras?

 

O país não precisa de consenso: precisa de justiça.

O país não precisa de pôr de acordo políticos com princípios sociais diferentes: precisa de um princípio de justiça que determine claramente direitos e deveres sociais. O país não precisa de debater se uma classe política é melhor do que a outra; precisa de estabelecer um paradigma que esteja acima das fracções.

A política de consenso acaba por dissolver a sociedade num bando de individualistas que negoceiam entre si com maus resultados. Só uma política de justiça permite restabelecer o sentido de associação.

A justiça é um remédio amargo mas seguro. Aceitar a justiça significa recusar a existência de diferenças arbitrárias entre as pessoas e significa promover à família monogâmica, os mercados competitivos, o estacc de direito e demais instituições que fazem a força da sociedade. Aceitar um princípio de justiça é pôr acima dos expedientes políticos uma missão para a comunidade.
E depois? Depois, é dizer adeus aos curandeiros.         

 

Mendo Castro Henriques 

Revista "Portugueses" nº6/7 1989