Prefácio de SAR D. Duarte de Bragança ao livro "Dom Duarte e a Democracia" de Mendo Castro Henriques

07-08-2010 21:01

PREFACIO

 


«J'ai souvent 1'impression de me répéter, mais c'est Ia seule façon de ne pás me contredire»
Maurice Druon

 


Com este livro, pacientemente organizado e eloquentemente escrito pelo bom amigo Prof. Mendo Castro Henriques, também tenho a impressão de me repetir...
O que justifica a sua edição, só os leitores poderão responder!
Tenho de agradecer a Deus pela vida que vivi até agora. Penitencio-me se ofendi alguém, por descuido ou com culpa, e por ter perdido tempo com alguns projectos que não mereceram ser bem sucedidos.
Consegui resultados muito positivos noutras iniciativas, e tive razão em muitas das causas que defendi mesmo que não me tenham ouvido em tempo útil... Mas, indiscutivelmente, o mais notável que me aconteceu foi ter casado com a melhor Mulher do mundo e termos recebidos de Deus os nossos três filhos que tanta alegria e felicidade nos trazem!
Pensando no patriotismo, generosidade e dedicação de tantos Portugueses que tenho conhecido e com quem tenho trabalhado, lembro militantes monárquicos e muitos outros que não tendo uma opinião clara sobre o problema da chefia de Estado, comigo concordam, de um modo geral, e constituem um enorme capital moral. Mobilizar esse capital humano de forma a melhor contribuírem para o nosso futuro colectivo é preocupação de muitos e dever a que me sinto obrigado.
Espero que este livro seja útil a todos os que partilham comigo o sentimento de profunda gratidão para com Portugal, e que se sentem responsáveis perante todas as gerações que nos antecederam, que deram o seu esforço e as suas vidas para a nossa Pátria comum. Pessoalmente, sinto uma especial responsabilidade perante os meus Pais e antecessores, que me legaram a identidade espiritual que espero saber transmitir aos meus Filhos.

«Tradição» significa «transmitir», e todas as famílias deveriam assumir a missão de transmitir aos seus filhos e netos os seus valores espirituais.
Preocupo-me sobretudo com as futuras gerações. Que Pátria lhes legaremos? Um País Soberano que possa defender os seus direitos e liberdades, ou um território mais ou menos autónomo, governado por representantes de outros interesses? Um País que garante o direito à vida desde o seu começo ao seu fim natural, o direito a exprimir livremente a sua opinião e a ser ouvido e respeitado pelo Estado? Um País que garante o direito de cada família escolher o modelo de educação que quer dar aos seus filhos, de ver a sua cultura e religião respeitadas (desde que não ponha em causa os direitos dos outros), de ter a sua segurança garantida ou um País onde os direitos individuais são postos em causa? Um território ainda muito belo onde é agradável viver ou uma «região europeia» degradada sem identidade cultural?
Um Portugal que aceita o recurso permanente a modelos de «desenvolvimento» que, destruindo o ambiente, comprometem o amanhã, ou que exige decisões isentas, éticas e científicas, capazes de evitar barbaridades arquitectónicas e urbanísticas cujo único fito parece ser o de «ter de marcar a nossa época, como sinal de progresso»?
Um País onde as instituições políticas, policiais, militares e de administração de justiça têm autoridades, prestígio e preparação suficientes para enfrentar o imprevisto, numa época tão instável e perigosa como a que vivemos, ou um País sem capacidade para enfrentar crises respeitando os valores da humanidade?
Nestes domínios como em muitos outros do nosso comportamento colectivo, necessitamos de uma «revolução cultural» que permita reencontrar um caminho viável para o nosso futuro, um caminho respeitador da vontade nacional, em que todos possamos participar a vários níveis, que seja pedagógico, que não se conforme com as decisões erradas, fruto da ignorância, prepotência, desonestidade ou demagogia dos responsáveis e, por isso mesmo, seja um caminho para uma verdadeira e autêntica Democracia.
Donde o título deste livro.


Dom Duarte de Bragança
 

Fonte: "Dom Duarte e a Democracia, uma biografia portuguesa" ,de Mendo Castro Henriques

 

Fonte:

http://www.bertrand.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=58147