SAR D. Duarte no “125 minutos com…”, tertúlia com Fátima Campos Ferreira, 15 de Abril de 2010 (vídeo)

29-07-2010 00:45

SAR D. Duarte no “125 minutos com…”, tertúlia com Fátima Campos Ferreira

 
D. Duarte na tertúlia “125 minutos com…”, por Fátima Campos Ferreira no Casino da Figueira da Foz , dia 15 de Abril de 2010


Photobucket

“Mas não concordamos, achamos que é uma forma errada e condenável de lutar pelos seus objectivos políticos. Portanto, não faz muito sentido fazerem-se grandes homenagens a uma revolução que derrubou um regime democrático legal para o substituir por um regime que durante os primeiros 16 anos funcionou muito mal”



O Duque de Bragança a iniciativa “125 minutos com...”, apresentado por Fátima Campos Ferreira, na Figueira da Foz.
Dezenas de monárquicos estiveram no Casino Figueira, para ouvir D. Duarte Pio de Bragança, que defendeu a revisão da
Constituição para que os portugueses possam escolher entre a república e a monarquia. “É um insulto ao povo português e a
todos os povos que têm monarquia”, atacou.
SAR D. Duarte de Bragança afirmou ainda que a presidência portuguesa custa cinco vezes mais do que a monarquia espanhola.


(15 de Abril de 2010)
 
O VÍDEO:
 
 
 
A presença de D. Duarte Pio de Bragança no Casino tocou nas chagas que flagelam Portugal e que «nos estão a deixar envergonhados perante a Europa»
O pretendente ao trono português, D. Duarte Pio de Bragança, deixou bem vincado na sua passagem pelas tertúlias do Casino, que continua a ser uma personalidade que não defrauda os valores da Nação e numa da altura em que se comemora o centenário da República
“O Rei de Espanha, quando viaja, ou vai num aviãozinho militar pequenino ou vai num avião de carreira. Nunca ninguém viu o Rei de Espanha requisitar um avião inteiro de uma companhia aérea para fazer uma viagem de visita oficial” sustentou D. Duarte perante a plateia



DOM DUARTE CRITICA DESPESA DE 10 MILHÕES COM FESTAS COM CENTENÁRIO DA REPÚBLICA

Photobucket



O pretendente ao trono português, Dom Duarte Pio de Bragança, classifica de “propaganda republicana primária” as comemorações do Centenário da República, contestando o custo de 10 milhões de euros das iniciativas programadas para celebração da efeméride.
“Não percebo como é que o País inteiro aceita impávido e sereno que 10 milhões de euros sejam gastos sem concursos, de uma maneira puramente arbitrária, não se sabe bem em quê. É um absurdo espantoso, não faz sentido”, disse D. Duarte, quinta-feira à noite, durante uma tertúlia no casino da Figueira da Foz.

Preconizou que dos dez milhões de euros, um milhão fosse gasto na “reposição dos factos e da verdade histórica”, sobre o período final da monarquia e o início da República.
Os restantes nove milhões, defendeu, devem ser utilizados para “acções sociais úteis” e não “desperdiçados em propaganda política inútil”, acusou.

“O Instituto Camões para toda a sua acção no estrangeiro de promoção da língua portuguesa não tem dez milhões de euros”, ilustrou Dom Duarte Pio, intervindo na tertúlia “125 minutos com… Fátima Campos Ferreira”.

Aludiu, depois, a recentes sondagens, “feitas com uma intenção republicana” que dizem existir em Portugal 70% de republicanos “o que quer dizer que 30% são monárquicos“, aferiu.
“Não faz sentido ofender 30% dos portugueses com uma propaganda republicana primária, paga pelo Orçamento do Estado, sem dar direito de resposta a quem não pensa como eles. Isto não é espírito democrático”, alvitrou.


Quote:
“Fartaram-se de matar gente”


Frisou, por outro lado, que aqueles que possuem a “difícil tarefa” de defender o movimento que levou à Implantação da República a 5 de Outubro de 1910 “limitam-se a falar das boas intenções e excelentes princípios dos revolucionários, mas raramente se referem aos factos”.
“A grande dificuldade em defender a monarquia em Portugal é que os republicanos raramente têm argumentos. Geralmente baseiam a defesa do sistema republicano em preconceitos”, disse Dom Duarte Pio.

Segundo Dom Duarte, os republicanos classificam a monarquia de “antiquada, ridícula, pouco democrática e fora de época”. “Não usam argumentos e é difícil discutir com preconceitos, em vez de argumentos”, sustentou. No inicio da tertúlia, referindo-se aos revolucionários da carbonária – dados como autores do Regicídio do Rei D. Carlos, em 1908 – afirmou que “se fartaram de matar gente antes e depois da revolução”.
“Faziam-no por um ideal, estavam a dar a vida pelo seu ideal. Agora, se aceitarmos uma homenagem a esse género de pessoas, temos de também reconhecer a Al-Qaeda, a ETA ou o IRA, todos eles combatem por um ideal”, argumentou.

“Mas não concordamos, achamos que é uma forma errada e condenável de lutar pelos seus objectivos políticos. Portanto, não faz muito sentido fazerem-se grandes homenagens a uma revolução que derrubou um regime democrático legal para o substituir por um regime que durante os primeiros 16 anos funcionou muito mal”, referiu.



DOM DUARTE DEFENDE “REVOLUÇÃO NACIONAL CULTURAL”CONTRA ABSURDOS” PROGRAMA ESCOLARES

Photobucket


Dom Duarte Pio de Bragança, defende uma “verdadeira revolução nacional cultural” contra os “absurdos” programas escolares, classificando de “mentira” a História de Portugal que se ensina nas escolas.


«Tem muito pouco de objectividade. Hoje em dia quase não há mais História de Portugal no ensino oficial (…) em geral o que é negativo
é que é salientado, o que havia de muito bom na nossa História é considerado politicamente incorrecto, não vá despertar sentimentos nostálgicos», argumentou.
«Os programas escolares de História são francamente anti-portugueses, em geral», continuou, acrescentando que tudo
isto dá a ideia que «há o objectivo de provar que Portugal não
tem razão de ser, não é viável como País. Estão a preparar
tudo para entregar [Portugal] a Espanha».


“Tenho muitas vezes de explicar [ao filho Afonso] que o que ensinam no programa oficial [de História de Portugal], a maior parte é mentira”, disse D. Duarte, quinta-feira à noite, durante a tertúlia no Casino da Figueira da Foz.
Respondendo a uma pergunta da jornalista Fátima Campos Ferreira, anfitriã da tertúlia “125 minutos com…”, sobre o acompanhamento do percurso escolar do filho, D. Duarte acrescentou que a História de Portugal retratada nos manuais escolares “é propaganda política”.


Além de «absurdos»,classificou os currículos escolares de «perniciosos para a Pátria», dando ainda o exemplo dos programas da disciplina de Português que fazem com que os alunos não aprendam a escrever «e, sobretudo, não aprendam a pensar».


PRESIDÊNCIA CUSTA 5 VEZES MAIS QUE A CASA REAL ESPANHOLA



A Presidência da República portuguesa custa cinco vezes do que a Casa Real espanhola, em valores absolutos e 18 vezes mais por habitante, disse quinta feira à noite, na Figueira da Foz, Dom Duarte Pio de Bragança.

Aludindo a diferenças entre os custos dos sistemas monárquico e republicano, o pretendente ao trono nacional frisou que o Presidente da República português, anualmente, “custa cerca de 2,9 euros por habitante” enquanto os encargos por habitante do Rei de Espanha representam “uns cêntimos por ano” aos cidadãos espanhóis.
“Em valores absolutos é cinco para um, por habitante é 18 vezes mais.
O palácio de Belém sai muito mais caro do que o palácio real espanhol”, disse Dom Duarte.

Acrescentou que a monarquia inglesa, a mais cara do Mundo, é “a única” que é mais cara do que a República Portuguesa.
“Mas [os ingleses] são reis de uma dúzia de países, entre os quais o Canadá, Austrália e Nova Zelândia”, argumentou.

Outra diferença entre o sistema monárquico e republicano espelha-se, segundo Dom Duarte Pio, nas visitas de Estado.
“O Rei de Espanha, quando viaja, ou vai num aviãozinho militar pequenino ou vai num avião de carreira. Nunca ninguém viu o Rei de Espanha requisitar um avião inteiro de uma companhia aérea para fazer uma viagem de visita oficial”, sustentou.


AS JÓIAS DA COROA PORTUGUESA ESTÃO EM COFRE «SEM SEGURANÇA»


As jóias da Coroa portuguesa estão «escondidas» num cofre, à guarda do Estado, mas «muito mal guardadas» e «sem segurança», alertou Dom Duarte Pio de Bragança.

«Não faz sentido nenhum que as jóias da Coroa, fantásticas, lindíssimas, estejam escondidas num cofre, ainda por cima mal guardadas», disse o pretendente ao trono português


A REVISÃO CONSTITUCIONAL

Photobucket



Quanto à Revisão Constitucional que se anda a falar, D.Duarte não teve meias palavras:«Esta Constituição é um insulto aos portugueses e que nos deixa a todos envergonhados perante a Europa» até porque,«não é verdadeiramente democrática».



Fontes:
Diário de Noticias, Sic noticias,RTP, Expresso , Diário as Beiras (17-4-2010); Diário de Coimbra (17-4-2010); Diário Digital